quinta-feira, 2 de março de 2017

Manoel Tavares Rodrigues-Leal - um outro poema a Fernando Pessoa

que eu passe e pasça, simples guardador de rebanhos, como Caeiro o era, raro.
que eu me rebole de exílio de mim-mesmo e não seja poeta aplicado
como a maioria dos nossos nacionais, como Campos queria.
Que furtiva e fugidia Lídia povoe meus sonhos sinistros e que o Rei[“s”?]
não abdique, seja pessoa [“Pessoa”?] e rei, como vós o conheceis.
e que Pessoa fingiu sem alarde e anónimo passou, mais não seja que [“P”?]pessoa em                                                  passagem,
amante do que se esquece, maravilhoso, fascinado por um deus perdido e sua perene imagem…

Manoel Tavares Rodrigues-Leal

Belas – 18-9-76





Sem comentários:

Enviar um comentário